Você sabia que o tratamento com aparelhos dentários em crianças é rápido e indolor?

Conheça a especialidade odontológica que cuida das estruturas ósseas, principalmente de crianças, e promove excelentes resultados em curto prazo

A Ortopedia Funcional dos Maxilares é uma especialidade que muitas pessoas desconhecem, mas que é indispensável para promover uma melhora estética e funcional não apenas da arcada dentária do paciente, mas também da estrutura óssea da face. No Brasil, ela foi reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia – CFO em 2001, gerando, desde então, grandes transformações, especialmente na vida de crianças, cujos efeitos serão levados por toda a vida.

De acordo com Dra. Raissa Lima, dentista responsável pela RL Face e especialista no assunto, o tratamento ortopédico funcional é indicado para ser iniciado já durante a dentição de leite, quando a criança tem em torno de 3 a 6 anos, fase em que os resultados são mais rápidos e o procedimento é indolor.

“A Ortopedia Funcional dos Maxilares é uma especialidade da odontologia que diagnostica, previne, controla e trata os problemas de desenvolvimento que afetam os arcos dentários e suas bases. Por isso é realizada durante a fase de crescimento infantil, período em que conseguimos tratar a estrutura óssea de forma indolor e ágil – diferentemente dos tratamentos ortodônticos realizados em adultos, que já tem os ossos calcificados.

Desse modo, trazemos um equilíbrio para as estruturas anatômicas da face através de interferências durante o desenvolvimento da criança, estimulando a remodelação óssea e dos músculos. Isso porque os aparelhos que utilizamos na OFM estimulam neurônios sensoriais presentes na região da boca, que agem no sistema nervoso central, remodelando as estruturas do sistema estomatognático com movimentos que induzem o crescimento ósseo”, explica a dentista.

Para exemplificar o que acontece, a especialista comparou em um vídeo no Facebook e no Instagram da RL Face o caso das Mulheres Girafas da Indonésia que, a cada ano, colocam um novo anel ao redor do pescoço, processo que promove o alongamento do pescoço e abaixamento dos ombros, sendo, então, uma remodelação óssea, nos mesmos moldes da ortopedia.

“O desempenho da ortopedia no meu filho foi realmente inacreditável. Em cerca de 45 dias, a mordida dele já descruzou completamente, sem que ele sentisse nenhuma dor. A qualidade de vida dele melhorou imensamente, já que ele parou de chupar o dedo e agora também consegue dormir melhor, com a boca fechada.

Além disso, antes de colocar o aparelho, o exame de radiologia mostrou nitidamente que seus dentinhos permanentes não teriam espaço suficiente para nascer de forma correta. Então, agora podemos ficar mais tranquilos já que, futuramente, a dentição dele também estará melhor posicionada. Eu indico que todos os pais investiguem com um especialista se há necessidade de seu filho fazer esse tratamento. É impressionante e extremamente rápido”, relata Bianca Mangueira, mãe do Enrico, de quase 4 anos.

Qual a diferença entre ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares?

Muitas pessoas confundem as duas especialidades e acham que são a mesma coisa, uma vez que ambas tratam o mau posicionamento dentário e ósseo. Entretanto, por mais que hajam semelhanças, as ferramentas utilizadas e o objetivo das especialidades são diferentes.

A ortodontia trabalha com os dentes e seu posicionamento nas bases ósseas sem interferir no processo de crescimento e desenvolvimento ósseo, dependendo da ação mecânica no movimento dentário através de aparelhos fixos. Já a Ortopedia Funcional dos Maxilares atua exatamente no crescimento e desenvolvimento dos maxilares e adjacentes, remodelando e redirecionando a estrutura óssea e muscular com aparelhos ortopédicos que geralmente são removíveis. Então a OFM não utiliza de nenhuma força externa para solucionar alterações na estrutura facial do paciente, mas sim uma força natural de baixa intensidade, produzida pelo próprio sistema corporal.

 

O que a OFM trata?

A Ortopedia Funcional dos Maxilares trata as estruturas ósseas da face, promovendo uma remodelação natural, conforme a necessidade do paciente. São diversos os problemas tratados nesse processo, que trazem um resultado já bastante perceptível em semanas ou no primeiro mês. Confira abaixo algumas das questões que a especialidade é capaz de corrigir:

– Deficiência maxilar

– Deficiência mandibular

– Mordida Cruzada, aberta ou profunda

– Maxila atrésica

– Prognatismo mandibular

– Interferência dentária

– Postura de língua

– Bruxismo

– Apnéia do sono

 

Qual profissional procurar para realizar o procedimento?

Não são todos os dentistas que têm essa especialização. Para realizar o tratamento, é necessário que o profissional tenha realizado um curso de ortopedia, o que geralmente acontece com ortodontistas, que fazem o estudo da análise cefalométrica ou facial.

Basta a teleradiografia, radiografias panorâmicas, exames intraorais e clínicos para que eu possa fazer um estudo personalizado, de como esse paciente vai ficar com 18 ou 20 anos caso ele não faça o tratamento. Mesmo com o paciente tendo 4 anos, eu consigo detectar se ele tem algum problema de distúrbio de crescimento.

O nosso objetivo é sempre o equilíbrio da face. Às vezes, uma criança não aparenta ter um desequilíbrio da estrutura facial, mas na teleradiografia lateral eu consigo detectar se a criança vai ter uma mordida aberta, uma protusão, uma mandíbula grande, uma maxila pequena. É possível até identificar o tamanho da adenoide e da amigdala do paciente, para checar se precisa fazer cirurgia ou não. Por fim, detectamos também quando vai ser o pico de crescimento dessa criança”, relata Dra. Raissa.

 

O que mais é importante saber sobre a Ortopedia Funcional dos Maxilares

Segundo a especialista, se a criança realiza o tratamento corretamente e de forma contínua, conforme orientação, o tratamento máximo é 10 meses de uso. O protético constrói o aparelho com base na deficiência do paciente, de forma personalizada.

Como citado anteriormente, a fase que traz melhores resultados é a partir dos 3 anos, até os 6. Nessa especialidade, as crianças e adolescentes acabam sendo os protagonistas devido a essa facilidade na execução do tratamento, já que eles ainda estão em desenvolvimento. Por isso, é fundamental que os pais de crianças estimulem a visita de seus filhos ao consultório de dentistas qualificados, capazes de identificar e resolver problemas estruturais que acometem os pequenos pacientes, para iniciar um tratamento precoce.

 “Eu e minha equipe estamos à disposição para acolher as famílias de Lucas do Rio Verde e região. Eu amo o que eu faço e é uma satisfação poder cuidar dos pequenos desde cedo, promovendo bem-estar e atuando para prevenir disfunções futuras”, conclui Dra. Raissa.

Para agendar uma avaliação com seu filho, clique aqui e fale conosco. Esperamos por vocês! Até mais.­­­­­

1 Comment

  1. Joao Henrique Vicente Lima disse:

    Excelente!! Muito esclarecedor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − dez =